sábado, 2 de junho de 2012

(Maceió) Dia 03: Piaçabuçu

Acordamos bem cedo, nos arrumamos e às 8h fomos até a avenida para encontrar a Van que tratamos no dia anterior. Hoje é dia de pegar a estrada rumo ao extremo sul de Alagoas.

Foram mais de 2h de estrada, sem parada, em uma van fretada em meio a fazendas de côco, para chegar a Piaçabuçu: uma cidade de menos de 20 mil habitantes no extremo sul do estado de Alagoas, fronteira com Sergipe. A cidade, extremamente pacata, fica na foz do São Francisco, um dos rios mais simbólicos do Brasil, que me cativa.

Chegamos lá 9h45 e tivemos 15min para dar uma volta na cidade (mais do que suficiente) antes do barco zarpar. Às 10h todos já tinham embarcado a partir da escadaria, que também serve como píer fluvial, na frente do mercado municipal.

Nosso guia, conhecido como Perereca, já começou a despejar todo tipo de curiosidade sobre a região em meio a milhares de palhaçadas realmente engraçadas (algo raro, pois as piadinhas de guias turísticos normalmente são péssimas).

À medida que prosseguíamos em direção à foz, o rio mostrava seu sofrimento: bancos de areia em todos os 9km até a foz evidenciam o grave assoreamento. No local onde o rio encontra o mar existem as Dunas do Péba, com quase 3km de largura, mais de 20km de extensão, indo até a praia.

PiaçabuçuDesembarcamos no início da duna e ficamos por ali vendo os pescadores locais (dizem que a pesca está prestes a desaparecer na região), a vegetação, as dunas em si e as águas quentes do São Francisco por 45min.

Era 12h40 quando voltamos ao barco e começamos a voltar. Levamos o dobro do tempo para subir o rio (contra a correnteza) até chegar de volta a Piaçabuçu.

Desembarcamos às 14h30 e fomos direto almoçar, no Restaurante Santiago (um dos poucos na beira do rio). Comida nordestina simples e saborosa, com guisado de bode, peixe de rio com farofa grossa e doce de jiló foi mais que suficiente pra matar nossa fome. Depois de comer (exageradamente) fomos dar uma caminhada enquanto não chegava o horário da viagem de volta.

Às 15h15 entramos na van para voltar para casa. Dormimos nos primeiros 10min e só fomos acordar quando chegamos à Praia do Francês! Todos os outros turistas pareciam também ter dormido o caminho todo.

Como ainda eram 17h e já tínhamos dormido bastante na van, fomos aproveitar o final do dia na praia (do Francês). Ficamos lá até às 19h e só fomos embora quando já estava escuro.

Chegamos em casa, tomamos banho e saímos novamente. O Tony nos chamou para jantar no restaurante de um amigo: o Maré Pimenta. Como o local é próximo, fomos caminhando e chegamos lá às 20h30. Mesmo sendo sábado, estava vazio. Jantamos tranquilamente uma excelente lasagna de berinjela, e nenhum outro cliente apareceu durante toda à noite!

Ficamos lá conversando até quase 23h, aproveitando que a noite estava bem agradável. Quando voltamos para casa, dormir rápido não foi problema.